Pequenas e médias empresas querem exportar aos árabes


Fonte: ANBA

Pequenas e médias empresas brasileiras estão interessadas em exportar para o mercado árabe. Vários empresários com este perfil manifestaram a intenção durante encontros com profissionais da Câmara de Comércio Árabe Brasileira, nesta terça-feira (27), na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), na capital paulista. A federação promoveu reuniões entre 16 câmaras de comércio estrangeiras com representação no País e empresas brasileiras, com o objetivo de fomentar as exportações.

Entre as companhias que conversaram com o gerente de Marketing e Comercial da Câmara Árabe, José Cristóvão, e com o coordenador de Inteligência de Mercado, João Paulo Paixão, estava a Marina Gaydou. A microempresa paulistana fabrica bolsas e acessórios em couro e tem como seu principal foco produtos para mulheres com filhos pequenos. “As bolsas são bem femininas e sabemos que as mulheres dos países árabes são muito vaidosas”, afirma a proprietária da empresa, Monica Nogueira.

São produzidas, por exemplo, as bolsas mamãe-bebê, aquelas de porte maior para transportar apetrechos como fraldas e mamadeiras. Mas em vez de estampas com bichinhos coloridos, a Marina Gaydou fabrica as peças ao estilo feminino, similares a outras bolsas convencionais. “Para que a mulher se sinta feminina quando tem bebê”, afirma. Há também porta-documentos do bebê, bolsas de mão pequenas para levar poucas fraldas, além de bolsas femininas convencionais. A empresa ainda não exporta, fez apenas alguns envios para Argentina, mas quer entrar no mercado árabe.