CNA quer a China abrindo novos negócios no Brasil e com mais investimentos no Nordeste


Fonte: Comex do Brasil

O presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), João Martins, defende interação ainda maior entre a China e o Brasil, com abertura de novas frentes para permitir investimentos chineses na instalação de fábricas que produzam tratores de pequeno porte capaz de atender as demandas dos agricultores familiares, a exemplo dos produtores do semiárido nordestino.


A hipótese foi apresentada por João Martins em encontro mantido nesta quarta-feira (23/09) com o novo presidente do Conselho Empresarial Brasil-China (CEBC), embaixador Luiz Augusto de Castro Neves, que estava acompanhado pelo embaixador Sérgio Amaral, presidente Emérito do CEBC.


Na conversa, tanto o presidente da CNA quanto o embaixador Castro Neves concordaram que o Brasil precisa melhorar e dar mais eficiência ao seu sistema de defesa sanitária, para ficar mais dinâmico e moderno, dando novo patamar às exportações de produtos agropecuários para o mercado chinês. João Martins quer ações conjuntas entre CNA, o Conselho Empresarial e o Governo Federal para que a Agência de Supervisão de Inspeção de Qualidade e Quarentena (AQSIQ), da China, aumente o número de frigoríficos brasileiros autorizados a exportar carne para o mercado chinês.


Para o presidente da CNA, é preciso intensificar o relacionamento bilateral entre o Brasil e a China para atrair, por exemplo, investimentos chineses a projetos agroindustriais, como na região do semiárido nordestino. A ideia é instalar unidades para fabricação de pequenos tratores, atendendo às características sociais e econômicas da região, com custo menor para os pequenos e médios produtores rurais brasileiros.

(Leia na íntegra)